Associação de Empresas de Paredes. Apoios financeiros disponíveis para o investimento no desenvolvimento e qualificação!

“Projetar as empresas para o futuro”

As empresas de Paredes dispõem agora de um forte apoio financeiro para investirem em áreas imateriais do desenvolvimento (marketing, gestão organizacional, sustentabilidade ambiental…). Capacitar e Qualificar é um Projeto Conjunto para a Qualificação das PME implementado pela Associação de Empresas de Paredes (ASEP) com o objetivo de promover o desenvolvimento e a qualificação do tecido empresarial. A sessão de apresentação do projeto decorreu ao final da tarde do passado dia 24 de julho, na sede da Junta de Freguesia de Rebordosa.

Gestão Organizacional, Marketing, Análises de Mercado, Responsabilidade Ambiental, Saúde e Segurança, Tecnologias de Informação e Comunicação, Sistemas de Gestão da Qualidade… Estão em cima da mesa várias propostas para acrescentar valor e tornar as empresas mais competitivas nos mercados nacionais e internacionais. A taxa de comparticipação é de 50% a fundo perdido e o montante máximo de investimento varia de atividade para atividade. O projeto é apoiado pelo Portugal 2020, da União Europeia, através do fundo Compete 2020.

“Projetar as empresas para o futuro”

A abertura da sessão coube ao presidente da ASEP. Alberto Pereira Leite sublinhou que este projeto surge na senda da estratégia da associação de trabalhar em prol do desenvolvimento das empresas locais, que “são essenciais para a criação de riqueza e para a evolução do nosso concelho”. Prosseguiu vincando a importância das atividades a desenvolver. “Os projetos em domínios imateriais demoram um pouco a arrancar, mas depois de começarem vão ‘a fundo’ e são fundamentais para projetar as empresas para o futuro. É um apoio fantástico para a evolução das empresas. Há aqui projetos cujo valor de mercado é bastante elevado e que seriam muito dispendiosos para os empresários. Desta forma, tornam-se mais acessíveis. A questão ecológica, por exemplo, implica um grande investimento, mas as empresas podem ser pioneiras e avançar nesta área com um forte apoio financeiro”, afirmou o presidente da ASEP.

A associação revela uma dinâmica impressionante, ainda o ‘Capacitar e Qualificar’ está a começar e está já a ser preparado um novo projeto. Sem levantar muito o véu, Alberto Pereira Leite garantiu que, apesar de incidir numa área distinta, segue exatamente a mesma filosofia: “Apoiar a progressão e desenvolvimento das empresas, mas sem interferir nas decisões. A decisão cabe sempre ao empresário”.

Podem desenvolver-se nestes domínios por metade do preço

A apresentação dos trâmites em que decorre o projeto ficou a cargo dos representantes da empresa C2G, Eduardo Gonçalves e Paulo Canle. Como o projeto já foi aprovado pela União Europeia, o processo será rápido, começou por revelar Eduardo Gonçalves, acrescentando que esta foi uma das candidaturas mais bem pontuadas a nível nacional. O projeto incide sobre áreas imateriais do desenvolvimento (marketing, gestão organizacional, sustentabilidade ambiental…) e, entre as atividades disponíveis, as empresas podem escolher apenas algumas, as que melhor se adequarem aos seus interesses e necessidades. Com uma taxa de financiamento de 50% a fundo perdido, é uma “excelente oportunidade para as empresas que pretenderem desenvolver-se nestes domínios, porque podem fazê-lo por metade do preço”. O montante máximo de investimento varia de atividade para atividade. Eduardo Gonçalves lembrou também que existem custos associados ao desenvolvimento do projeto que são suportados pela ASEP em prol do tecido empresarial.

Aumento das vendas, redução dos custos, crescimento sustentado

Por sua vez, Paulo Canle apresentou de forma detalhada os serviços. Mas não sem antes vincar que as atividades disponíveis “não pretendem ensinar às empresas como fazer o seu trabalho, elas sabem fazê-lo muito bem, o que se pretende é implementar melhorias”. O Capacitar e Qualificar – Projeto Conjunto para a Qualificação das PME tem como objetivo o aumento das vendas, a redução dos custos e a criação/reforço de uma estratégia de crescimento sustentado de longo prazo para as empresas participantes. Dos diagnósticos organizacionais aos estudos de mercado, passando pelo marketing, normas de qualidade, sustentabilidade ambiental e redução do desperdício, entre outras, há atividades disponíveis em várias áreas que vão acrescentar valor e tornar as empresas mais competitivas nos mercados nacionais e internacionais. Os interessados podem obter mais informações em www.asep.pt ou contactar diretamente a associação através do endereço geral@asep.pt.

“A existência de uma associação como esta facilita muito as coisas”

Presente na sessão, o vereador das Atividade Económicas da Câmara Municipal de Paredes, Elias Barros, não poupou elogios ao trabalho desenvolvido pela associação paredense. “Parabéns à ASEP. Apesar de ser uma associação recente, ainda jovem, é muito dinâmica e eu sou testemunha disso. A existência de uma associação como esta, com conhecimento e parceiros estratégicos, facilita muito as coisas”, afirmou, sublinhando de seguida os bons indicadores locais. “Vivemos num concelho em que praticamente não há desemprego e ainda bem, é sinal de que temos bons empregadores e bons empregados. Estamos no bom caminho, Paredes é uma potência a nível industrial e comercial”, referiu. O vereador concluiu reforçando a importância do aproveitamento dos apoios comunitários e o papel de relevo que está a ser assumido pela ASEP neste capítulo.

Por sua vez, a presidente da Junta de Freguesia de Rebordosa manteve a toada. Salomé Santos começou por agradecer a escolha do auditório da autarquia rebordosense, porque “é preciso descentralizar”, antes de frisar a relevância do projeto. “Estes projetos são de extrema importância para as empresas e os empresários, permitem obter outras qualificações que são fundamentais para as PME. É um trabalho importantíssimo da ASEP para que as empresas conheçam e possam aproveitar todas as ferramentas que estão ao seu dispor”, disse.